Translate

SEJA BEM VINDOS VISITANTES

contadores de visitas

quarta-feira, 5 de março de 2014

Débora, uma "pastora" no Antigo Testamento



Débora, uma "pastora" no Antigo Testamento

Sérgio Ricardo Gonçalves Dusilek - Bacharel em Teologia e Mestrado em Filosofia
Texto extraído da revista Mulher Cristã


 
Existem certas narrativas bíblicas que me fazem pensar num Deus alegre e "brincalhão". Narrativas estas que devem fazer Deus dar "boas risadas" com o incômodo que elas provocam nos homens por ocasião do afrontamento dos seus paradigmas e preconceitos.

Por isso é preciso que entendamos que a literatura bíblica, tendo a sua narrativa atrelada ao contexto cultural da época em que foi escrita apresenta, por vezes vocabulário limitado, cujas palavras não conseguem retratar a intensidade e plenitude dos acontecimentos ali contidos.

Creio que a história de Débora, Juízes 4.4-5.32, tipifica bem essa situação. Embora tivesse todas as características de uma "pastora", o texto não a apresenta como tal, e sim como juíza e profetisa (aliás, diga-se de passagem, com a noção de juiz e profeta, só e Samuel). Isto se explica por dois fatores principais:

1. A idéia de "pastorado" quando aplicado à condução de pessoas, só tomou forma na época de Ezequiel e Jeremias, passando ao homem uma noção até então atrelada à Pessoa de Iavé, Gênesis 49.24; Salmos 23.1. Dessa forma extingue-se a possibilidade de o escritor, na época em que o livro foi escrito, referenciá-la como tal.

2. A palavra mais próxima do vocábulo "pastor" no Antigo Testamento, tendo em vista as atribuições e funções que exerce era "sacerdote". Só que esta ocupação na época de Débora estava em descrédito, em virtude da falta de preparo, espiritualidade e seriedade dos sacerdotes de então.

Afinal de contas, por que não pastoras?

Nesse período havia um descaso e banalização do sacerdócio (exemplificado por Mica, Juízes 17-18, tão grande que praticamente não dava para conceber a idéia da existência de uma pessoa que falasse e oficiasse em nome de Deus e fosse conhecida como sacerdote. Ser sacerdote era sinônimo de estar com o "filme queimado", de pessoa sem palavra e sem caráter. Para falar de Débora, o escritor precisava usar uma terminologia que, ao mesmo tempo, fosse conhecida e não provocasse uma distorção da imagem que queria retratar. Daí as palavras juíza e profeta, Juízes.

O texto porém conta a vida de Débora que, conquanto tenha sido qualificada como juíza e profeta, realmente agiu como "pastora". Senão vejamos: diante de um povo em sofrimento por causa da opressão externa, Juízes 4.3, ela certamente, falando em nome do Senhor como profetisa (a profecia é uma característica fundamental na vida de um pastor) teve também a sensibilidade e o discernimento para ouvir a voz do Senhor e a sua convocação para reviravolta, Juízes 4.6; como alguém que conhecia o seu rebanho, sabia exatamente quem convocar para liderar o povo nessa empreitada, Juízes 4.6; como líder, e cheia de fé no cumprimento da Palavra divina, soube encorajar Baraque para que assumisse tal tarefa, Juízes 4.6,7.; como exemplo que era e diante da insegurança do mesmo Baraque, acompanhou a expedição, Juízes 4.9; na integridade que possuía, "abriu o jogo" e sinceramente revelou de antemão para Baraque que a glória da vitória não caberia a ele, em decorrência da sua insegurança e incredulidade, Juízes 4.9; na sua humildade elevou um cântico ao Senhor pela vitória conquistada, Juízes 5.1-4,13; na sua sabedoria, conduziu o povo que por quarenta anos esteve em sossego e em paz, Juízes 5.32; no referencial de vida e fé que era, contaminou Israel de uma forma que só após esse período é que o povo voltou a pecar contra o Senhor, Juízes 6.1.

Quem não sonha com um pastor que transmita a mensagem de Deus, caráter profético, que tenha uma palavra de alento oriunda do Alto para o seu coração sofrido por esse sistema desumanizante nos quais estamos inseridos? Quem não quer um pastor sensível à voz do Senhor com discernimento, qualidade ímpar de um juiz, para ministrar à vida das pessoas e da igreja com visão do micro e do macrocosmo? O que não pensar do pastor que, além de tudo, seja humilde, dependente do Pai, líder capaz (não só para conduzir, mas também para incentivar), sincero e com uma integridade que inspire a todas as suas ovelhas? E se esse "sonho de pastor", com todas essas qualidades fosse do sexo feminino? Por que não a acolheríamos como pastora?

E o que não dizer de Débora? Será que nós aceitaríamos hoje como profetisa e juíza, isto é, como pastora? Será que teríamos coragem de perder uma pessoa com esse potencial em nome de um paradigma que não acredita na existência de pastores (as) desse nível? Para aqueles que ainda teimam em alimentar esses sonhos inversos, o Livro de Juízes revela uma "pastora" que, com todas as falhas que deveria possuir enquanto pessoa, nos legou um exemplo de vida, ministério e condução do rebanho num momento complicado da história de Israel. Penso que exemplos como o de Débora estão contidos na Bíblia para nos mostrar que, sendo as diferenças e os preconceitos do homem criações do pecado, e não de Deus, Gênesis 1.27; Mateus 19.8, faz-se necessária uma criteriosa reavaliação de alguns conceitos, como a questão do critério "sexo" para o exercício do ministério pastoral. Precisamos de uma vez por todas entender que o ministério na ótica do Senhor está calcado em valores sublimes, em uma conduta ética aprovada. De fato, não daria para entender a grandiosidade de um Deus, assim qualificado na Sua Palavra, que vinculasse o ministério pastoral à sexualidade de seus filhos.

AFINAL DE CONTAS, POR QUE NÃO PASTORAS?

jesussite.com.br

Duas Sementes



Duas sementes em conflito

Texto: Gn.3.15

Introdução: Deus disse que haveria inimizade entre a semente da mulher e a semente da serpente.
Seriam duas descendências em conflito durante a história. A descendência da serpente são os filhos
do Diabo. A descendência da mulher são os filhos de Deus.

1- Acompanhando a narrativa bíblica, encontramos em conflito ou em oposição: Caim e Abel,
Ismael e Isaque, Cão e Sem, Esaú e Jacó, Faraó e Moisés, etc.

2 - Alguns destes homens deram origem a nações em conflito. A semente bendita continuava
representada por Israel. A semente maligna era representada pela Assíria, Filistia, Babilônia, Egito,
etc.

3- A semente maligna perseguiu a semente bendita, infligindo-lhe muitos males, tentando
exterminá-la antes que nascesse o Salvador.

4- A semente bendita tem o seu representante supremo na pessoa de Jesus Cristo, que também foi
perseguido pelos representantes do mal: Herodes e Judas Iscariotes. Até os fariseus desempenharam
esse papel e foram chamados de “raça de víboras” que tem o sentido de uma descendência de
serpentes. Jesus se referiu aos seus opositores como “filhos do Diabo” (João 8.44).

5 - Cada pessoa escolhe a que descendência participar, pois esta é uma questão espiritual e não genética ou racial.
Até judeus, que participavam da semente bendita, escolheram o mal (João 8.44). Todos são, por natureza,
“filhos da ira e da desobediência” (Ef.2.1-5), mas podem se tornar “filhos de Deus” (João 1.11-12)
independente de sua raça ou nacionalidade.

Conclusão: Os filhos de Deus sofrem algum dano em algum momento. O diabo lhes fere o calcanhar.
Afinal, esta é a única parte de contato entre ambos pois o inimigo está debaixo dos nossos pés, tendo
sua cabeça esmagada por Jesus Cristo e sua igreja (Rm.16.20).

Os 4 Tipos de Vasos Que Deus Escolhe



Os 4 Tipos de Vasos Que Deus Escolhe
2 Tm 2.20, 21

Introdução: Somos comparados na Bíblia a um vaso. Existem vários tipos de vasos. Vasos de ouro, de prata, de pau e de barro.

Talvez se nós fossemos escolher algum deles certamente escolheria o vaso de ouro. Porém Deus escolheu colocar o seu tesouro nos vasos de barro para que a excelência do poder não seja do vaso, mas do Senhor. Veremos então, que tipo de vasos somos nós e qual a nossa utilidade.

www.MidiaGospel.Com.br Estudo Biblico Jesus DEUS.br / www.estudosgospel.com.br / www.centraldepregadores.com.br

I – VASO ESCOLHIDO
(At 9.15): esta primeira revelação está no Episódio da conversão de Saulo. Após ele ter um encontro com o Senhor e ficar cego, Deus envia o seu servo, Ananias para ir ao seu encontro. Porém Ananias responde ao Senhor que muitas coisas ruins haviam sido ditas acerca de Saulo, mas o Senhor o diz: Ananias este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome aos gentios e aos Reis de Israel. Somos vasos escolhidos. Dentre milhares de pessoas Deus escolheu a nós.

O presente versículo ensina o propósito e desígnio de DEUS nas vidas dos homens, em termos gerais, porquanto DEUS conhecia a Saulo e Ananias, e ambos tinham lugar nesse plano, como também dele participam todos os homens. Isso é teísmo ao invés de deísmo.

O teísmo ensina que DEUS não apenas criou todas as coisas, mas também que conserva o interesse pela sua criação, dirigindo e exercendo a influência de sua vontade sobre as vidas humanas, para cumprimento de seus propósitos, determinando os seus destinos; também galardoa e pune aos homens, e, de modo geral, intervém sobre a vida humana, sendo ele o alvo apropriado de todos os homens.

Já o deísmo aceita a existência de um "deus", de deuses ou de forças cósmicas que teriam criado o universo; no entanto, não se interessam pelo mesmo, tendo-se afastado do mesmo, sendo que também nem pune e nem galardoa aos homens.

"Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. tais homens são, por isso, indesculpáveis" (Rm. 1:20).

Além disso, este mesmo versículo ensina-nos que o interesse de DEUS não tem apenas um caráter geral, que reduz os homens a pessoas sem nome, pelo contrário, o Senhor se interessa individualmente por cada um, tendo uma missão para cada um.

Dessa forma, todos os homens, em certo sentido, podem ser vasos ou instrumentos como no bem-estar de seus semelhantes humanos.

Assim sendo, o poder de DEUS fez com que Paulo se tornasse um vaso escolhido tendo-lhe sido conferida uma missão distinta. E o próprio Paulo, já apóstolo, sentia ser um vaso de barro, indigno de encerrar tão grande tesouro.

"Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de deus e não de nós"(2 Co 4. 7).

Por conseguinte, a mensagem que Ananias foi encarregado de transmitir a Saulo foi realmente grandiosa.

"Então, Ananias foi e, entrando na casa, impôs sobre ele as mãos, dizendo: saulo, irmão, o senhor me enviou, a saber, o próprio jesus que te apareceu no caminho por onde vinhas, para que recupere a vista e fiques cheio do Espírito Santo". (At 9. 17).

Deve-se observar, por semelhante modo, como DEUS determina os acontecimentos da vida de um homem, a fim de torná-lo apto para o tipo de vaso que deve ser para a obra particular que ele precisa realizar na vida.

Assim é que, no caso de Saulo de Tarso, tudo quanto ele fora e aprendera a educação que recebera, o seu prepara intelectual na religião judaica, e até mesmo o contexto de sua personalidade, contribuía para fazer dele um caso como DEUS queria.

DEUS outorga e utiliza os dotes naturais de um indivíduo, e ordena sua forma de treinamento e desenvolvimento, antes mesmo de sua conversão, a fim de prepará-lo para a obra e a missão que deve receber, após sua conversão.

"Quem quer que considere o caráter de Paulo, a sua educação, as suas realizações quanto aos conhecimentos naturais, o papel distinguido que lhe foi outorgado, primeiramente contra o cristianismo, e depois, na mais profunda convicção, o papel que desempenhou em favor do cristianismo, perceberá, de imediato, quão bem ele estava qualificado para grande obra para a qual Deus o havia chamado" (Adam Clark).

Três seriam as esferas principais das atividades de Saulo, quando fosse o grande apóstolo Paulo. Vejamos:

a) - Pregaria o evangelho às nações, porque, através dele, o evangelho seria estabelecido no mundo gentílico. Foi quase sozinho que ele ergueu o cristianismo à posição de uma religião mundial, alterando assim o curso da história da humanidade.

b) - Pregaria o evangelho a reis. Dentre todos os seguidores de JESUS, Paulo era o mais qualificado para ser testemunha perante os governadores do mundo.

c) - Pregaria o evangelho ao povo de Israel. Fora um dos seus melhores elementos, mas tornara-se elemento excelente quando de sua conversão; e foi comissionado a anunciar essa mensagem de transformação ao seu próprio povo, de forma especial e cheia de vigor.

Com sucesso e fielmente foi que Paulo cumpriu essas três esferas de atividade. Nas duas primeiras esferas ultrapassou imensamente o serviço e o poder de quaisquer outros cristãos primitivos.

É interessante observar, que Paulo seria alvo dos ataques desfechados por muitos, sendo inclusive, punido com muitos sofrimentos.

Contudo, o fato de que Paulo assim tivesse de sofrer, em defesa da fé que anteriormente havia perseguido tão ferozmente, serve de prova insofismável da autenticidade de sua conversão, bem como da veracidade do cristianismo.

É muito significativo que Paulo encarava o sofrimento como uma forma de dom dada aos cristãos, contanto que esses sofrimentos fossem em favor de CRISTO.

"Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente de credes Nele". (Fl 1.29).

II – VASO COMPRADO
Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus( 1 Co 6.20).

(1 Co 7.23; Ap 5.9,10).
• Resgatados da maldição (Gl 3.13).
• Resgatados dos pecados (Cl 1.14).
• Resgatados das vãs maneiras (1 Pe 1.18).
• Resgatados pelo sangue (Hb 9.12; 1 Pe 1.19).
• Resgatados gratuitamente (Rm 3-24).
• Resgatados para glorificar (1 Co 6.20).
• Resgatados para estarmos livres dos homens (1 Co 7.23).
• Resgatados do domínio das coisas (1 Co 7.29-31).
• Resgatados para ser rei e sacerdotes (Ap 5.9,10).

O fumo, inegavelmente, causa forte vício. Mais adiante, a mesma passagem nos diz:

A Bíblia nunca menciona diretamente o ato de fumar. Há alguns princípios, entretanto, que definitivamente se aplicam ao fumar. Primeiro, a Bíblia ordena que não permitamos que nossos corpos se tornem “dominados” por coisa alguma. I Co 6.12 declara:

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma.” (I Co 6.12).

“Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus” (I Co 6.19-20).

Fumar é inegavelmente muito prejudicial a sua saúde. Já foi provado que fumar causa danos aos pulmões e freqüentemente ao coração.

Pode o fumar ser considerado “benéfico” (I Co 6.12)? Pode-se dizer que fumar é verdadeiramente “honrar a Deus com seu corpo” (I Co 6.20)? Pode uma pessoa honestamente fumar “para a glória de Deus” (I Co 10.31)? Cremos que a resposta a estas três perguntas é um grande e redondo “não”.

Como resultado, cremos que fumar é um pecado, não devendo então ser praticado pelos seguidores de Jesus Cristo.

Alguns argumentam contra esta visão mostrando o fato de que muitas pessoas ingerem alimentos que não são saudáveis, que podem da mesma forma viciar e ser maléficos para o corpo.

Como exemplo, muitas pessoas são tão viciadas em cafeína que não podem funcionar sem a primeira xícara de café pela manhã. Mesmo sendo verdade, como isto faz do ato de fumar algo correto? Afirmamos que os cristãos devem evitar a glutonaria e evitar o excesso de alimentos que não sejam saudáveis.

Sim, os cristãos são muitas vezes hipócritas quando condenam um pecado e permite outro… mas mais uma vez, como isto faz que o fumar honre a Deus?

Outro argumento contra esta visão de fumar é o fato de que muitos homens piedosos têm sido fumantes, como o famoso pregador britânico C.H. Spurgeon. Novamente, não cremos que este argumento tenha qualquer peso. Cremos que Spurgeon estava errado em fumar. Mas era ele, por outro lado, um homem piedoso e fantástico professor da Palavra de Deus? Claro que sim! Isto faz com que todos os seus atos e hábitos honrem a Deus? Não.

Sim, fumar é pecado. Fumar não é menos perdoável do que qualquer outro pecado, tanto para uma pessoa se tornar um cristão, ou um cristão confessar seu pecado a Deus (I João 1.9). Ao mesmo tempo, nós cremos firmemente que fumar é um pecado que deve ser abandonado, e com a ajuda de Deus, superado.

Além de sermos escolhidos somos também vasos comprados por um bom preço: o sangue de Jesus. Isto quer dizer que temos um dono, não estamos jogados como sementes no deserto.

Nós temos quem cuida de nós. Deus é o nosso dono e ninguém pode nos resgatar das mãos Dele.

III – VASO SELADO
- Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa ( Ef 1.13)-

A carta aos Efésios contém tesouros preciosos para vida cristã. A profundidade doutrinária produz segurança e esperança a todos os crentes.

A formação do corpo de Cristo, e sua unidade, é o propósito eterno desta carta. A família espiritual é enfatizada de forma profunda, como maneira de destacar a posição e condição do crente, de filho de Deus.

Preso, Paulo envia essa carta e, no verso 13 do capítulo primeiro, destaca a posição e a condição de crente em Jesus.

A posição é a posição de Cristo: “... é nele que vós estais depois que ouvistes a Palavra da verdade...”. O crente está em Cristo, essa é a posição, a mais alta posição que um homem pode estar. Junto ao próprio Senhor Jesus Cristo. A mais elevada posição que um homem pode ser colocado. Não é sua condição social, financeira, intelectual, mas o estar em Cristo Jesus.

Como forma de afirmação dessa posição, Paulo progride em sua carta, revelando a ação do Santo Espírito na vida do crente. “... tendo nele crido, fostes selados com o Espírito Santo da Promessa”.

Selados com o Espírito Santo significa a nossa condição: pertencemos a Deus. Nada mais poderá mudar essa condição. Somente Deus tem a primazia sobre a nossa vida e nossa alma. Nada mais nos tira a condição de filho do Deus Altíssimo. Essa é a marca da segurança eterna da salvação, daqueles que crêem em Jesus Cristo. É o penhor da herança que temos, para redenção da propriedade de Deus (os crentes em Jesus), em louvor da sua Glória (Ef. 1.14).

O crente em Jesus, já passou da morte para vida, não entrará em condenação, ele tem a vida eterna (Jo. 5.24), pois está “Selado com o Espírito Santo”.

Que maravilha! Somos selados pelo Espírito Santo! Nosso Deus é maravilhoso, além de nos selar, o que já seria suficiente, pois o selo indica propriedade. Um documento ou correspondência selada só pode ser aberta pelo dono, ou seja, somos invioláveis até que o nosso dono ( Jesus ) nos receba em seus braços.

O senhor ainda nos deu o penhor do Espírito, ou seja, para garantir que viria nos buscar deixou o Espírito Santo como penhora. No arrebatamento haverá o resgate: seremos levados até às nuvens ao encontro do Senhor e para sempre estaremos com Ele. O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações ( 2Cor 1.22).

Aqui na terra somos reconhecidos pela operação do Espírito em nossas vidas: Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniqüidade ( 2 Tm 2.19 ).

IV – VASO PREPARADO
– Somos vasos de barro, escolhidos, comprados, selados e preparados para toda a boa obra. Temos que honrar ao nosso Deus e nos purificar de toda malícia e obras que desagradam ao Senhor.

Portanto, devemos procurar com zelo os melhores dons e ficar atentos para a necessidade da obra de Deus. Quando Deus quiser nos usar, possamos dizer: Eis-me aqui Senhor. Que minha luz brilhe diante dos homens e eles vejam que sou nascido em ti.

1. Deus não desiste de você, mesmo quando você falha em cumprir seu propósito (Jr 18.4).

O oleiro não jogou no lixo o vaso que se lhe havia estragado nas mãos. Ele não o colocou num canto como algo imprestável. Ele não desistiu desse vaso, mas fez dele um vaso novo.

Assim, também, Deus não desiste de você. Mesmo quando você se torna como um barro sem liga ou como um vaso estragado, Deus continua investindo em sua vida. Ele não abre mão de fazer de você um vaso novo. Deus não desiste de fazer um milagre em sua vida. Ele não abdica do direito que tem de fazer de você um vaso de honra, um vaso útil, preparado para toda boa obra.

Mesmo quando você cai, fracassa e se desvia Deus não considera você como sucata imprestável. Ele não olha você com desprezo. Como oleiro divino, ele investe em sua vida e transforma você, para que você cumpra os propósitos eternos que ele mesmo estabeleceu para sua vida.

2. Deus não faz apenas remendos em sua vida; ele faz de você um vaso novo (Jr 18.4). O oleiro não remendou o vaso que se lhe havia estragado nas mãos. Ele não se contentou com meias medidas.

Ele fez um vaso novo. A obra de Deus em você é completa. Ele faz de você uma nova criatura. Ele não quer apenas uma reforma externa, um verniz de aparência. Ele quer dar-lhe uma nova vida, uma nova mente, um novo coração, uma nova família, uma nova pátria. Deus tem para você uma vida nova, com novos gostos, novas preferências, novos alvos, novos sonhos, novos compromissos. A vida com Cristo é novidade de vida.

É vida santa, é vida no altar, é vida cheia do Espírito, é vida abundante, maiúscula, superlativa, eterna. A obra de Cristo em você é um milagre extraordinário. Portanto, você deve despojar-se dos trapos da murmuração e revestir-se com as vestes de louvor. Você deve largar para trás o espírito angustiado e cobrir-se com roupagens de louvor e óleo de alegria.

3. Deus não faz de você um vaso segundo o seu querer, mas um vaso segundo o seu propósito soberano (Jr 18.4). Deus fez do vaso que se lhe havia estragado nas mãos um vaso novo, segundo bem lhe pareceu.

A obra de Deus em você não é conforme os ditames da sua vontade, mas conforme os propósitos soberanos do próprio oleiro divino. Deus tem o melhor para você. Os planos de Deus para a sua vida são mais elevados do que os seus próprios sonhos.

O projeto de Deus para a sua vida são mais altaneiros que os seus próprios projetos. A vontade de Deus e não a sua deve prevalecer em sua vida. Ele é o oleiro, e você o barro. Não é o barro que manda no oleiro; é o oleiro que molda o barro. O oleiro tem o direito de fazer do barro o que lhe aprouver.

O oleiro divino que molda você é o mesmo que espalhou as estrelas no firmamento e o mesmo que lançou os fundamentos da terra. O oleiro divino está empenhado em esculpir em você a beleza de Jesus.

Seu projeto eterno é transformar você à imagem do Rei da glória. Ele lhe predestinou para você ser conforme à imagem do seu Filho. Deus jamais desistirá desse projeto. Seus planos não podem ser frustrados. Se preciso for, ele vai quebrar o vaso e fazê-lo de novo.

Mas, jamais vai desistir de fazer de você, um vaso de honra.

Deus nos escolheu dentre milhares e nos honrou com a sua presença, fazendo que vasos de barros, passivos a se quebrarem, pudessem ter o direito de comportar em si a o próprio Deus, na pessoa do Espírito Santo.

Ele nos comprou por bom preço, usando o sangue de Jesus como uma moeda corrente para pagar todos os nossos pecados e nos preparou para toda a boa obra, para que através de nossas vidas o seu nome fosse glorificado no céu. Que Deus tremendo é o nosso Deus!

Viva abundantemente e de cabeça erguida, sabendo que tu és vaso precioso diante dos olhos do Senhor. Aquele que nem mesmo poupou o seu único filho, antes o entregou por nós, não nos dará também todas as coisas?

Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós ( 2. Cor 4.7 ).

Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra.

De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra. ( 2 Tm 2. 20.21 )

E respondeu Ananias: Senhor, a muitos ouvi acerca deste homem, quantos males tem feito aos teus santos em Jerusalém; E aqui tem poder dos principais dos sacerdotes para prender a todos os que invocam o teu nome.

Disse-lhe, porém, o Senhor: Vai, porque este é para mim um vaso escolhido, para levar o meu nome diante dos gentios, e dos reis e dos filhos de Israel ( At 9.13;14;15).

Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais. Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado ( 1 Pe 1. 18;19).

E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação ( Ap 5.9).

Que Deus nos abençoe e nos guarde em nome de Jesus. Amém!

7 COISAS QUE O SENHOR ABOMINA




 Provérbio 6:16-19
Há seis coisas que o Senhor detesta; sim, há sete que Ele abomina:  olhos altivos,
Língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente;  coração que maquina projetos
Iníquos, pés que se apressam a correr para o mal; testemunha falsa que profere
Mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.
 
 
1o.  Deus abomina/detesta OLHOS ALTIVOS (blh: o olhar orgulhoso)
Como os olhos são as janelas da alma, eles transmitem o que está em nossos corações.  Um coração cheio de arrogância, prepotência e soberba se mostrará no tipo de olhar da pessoa.
Há alguns textos nos Evangelhos que contam dos olhares de Jesus, de como Ele transparecia seus sentimentos pelo olhar:  Mc 10:21 “E Jesus, olhando para ele, o amou, e lhe disse: uma coisa te falta...” (ao jovem rico);  Mc 3:5 “E olhando em redor para eles com indignação, condoendo-se da dureza dos seus corações, disse ao homem: Estende a tua mão. Ele a estendeu, e lhe foi restabelecida.” (na sinagora, onde as pessoas o observavam para ver se “pecaria” curando um homem num sábado).
Pv 21:4  “Olhar altivo e coração orgulhoso, tal lâmpada dos ímpios é pecado”.
Pv 30:12 e 13 “Há gente que é pura aos seus próprios olhos, e contudo nunca foi lavada da sua imundícia. Há gente cujos olhos são altivos, e cujas pálpebras são levantadas para cima.”
Pv 16:18 “A soberba precede a destruição, e a altivez do espírito precede a queda”
 
2o. Deus abomina/detesta LINGUA MENTIROSA
Quando pensamos em mentira, automaticamente lembramos do “pai da mentira”, Satanás.  Foi o próprio Jesus que assim declarou: “Vós tendes por pai o Diabo, e quereis satisfazer os desejos de vosso pai; ele é homicida desde o princípio, e nunca se firmou na verdade, porque nele não há verdade; quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio; porque é mentiroso, e pai da mentira.” (Jo 8:44).
Há diversos provérbios que alertam para os malefícios da mentira, do mexerico e da difamação:
Pv 18:8 “As palavras do difamador são como bocados doces, que penetram até o íntimo das entranhas”.
Pv 18:21 “A morte e a vida estão no poder da língua...”
Pv 16:27 “O homem vil suscita o mal; e nos seus lábios há como que um fogo ardente”.
Pv 20:19 “O que anda mexericando revela segredos; pelo que não te metas com quem muito abre os seus lábios”.
Pv 21:6 “Ajuntar tesouros com língua falsa é uma vaidade fugitiva; aqueles que os buscam, buscam a morte”.
Pv 21:23 “O que guarda a sua boca e a sua língua, guarda das angústias a sua alma”.
Pv 12:22 “Os lábios mentirosos são abomináveis ao Senhor; mas os que praticam a verdade são o seu deleite”.
 
3o. Deus abomina/detesta MÃOS QUE DERRAMAM SANGUE INOCENTE
O Senhor detesta a violência, o homicídio. O primeiro homicídio relatado na Bíblia foi o de Abel, em Gn 4:8-10:  “Falou Caim com o seu irmão Abel. E, estando eles no campo, Caim se levantou contra o seu irmão Abel, e o matou.  Perguntou, pois, o Senhor a Caim: Onde está Abel, teu irmão?  Respondeu ele: não sei; sou eu o guarda do meu irmão? E disse Deus: que fizeste? A voz do sangue de teu irmão está clamando a mim deste a terra”.
O espírito de violência está disseminado pelo mundo.  Numa rápida olhada pelo jornal deste sábado vi diversos relatos de violência: no Maranhão, já são 21 meninos e adolescentes assassinados desde 1991 com os mesmos requintes de perversidade, sendo que nestes últimos dias foram 2 casos;  no interior do Estado um adolescente de 16 anos assassinou um ex ministro e sua esposa, idosos, porque o homem se recusou a emprestar o carro para ele, que era filho do caseiro da fazenda;  há um relato de um filho que matou o pai numa briga e diversos outros.  A violência está banalizada.
 
4o. Deus abomina/detesta CORAÇÃO QUE MAQUINA PROJETOS INÍQUOS
No caso de Caim, o Senhor o advertiu de que seu coração estava contaminado pela maquinação do mal (“se não procederes bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar” Gn 4:7). 
Tiago explica o processo do pecado: Tg 1:13 “Ninguém, sendo tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele a ninguém tenta.  (14) Cada um, porém, pé tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupscência; (15) então a concupscência, havendo concebido, dá à luz o pecado; e o pecado sendo consumado, gera a morte”.
Em Pv 6:12 a 15, a Palavra de Deus descreve o “homem vil e iníquo”: “anda com a perversidade na boca, (13) pisca os olhos, faz sinais com os pés, e acena com os dedos; (14) perversidade há no seu coração; todo o tempo maquina o mal; anda semeando contendas. (15) Pelo que a sua destruição virá repentinamente; subitamente será quebrantado sem que haja cura”.
Pv 11:20 “Abominação para o Senhor são os perversos de coração; mas os que são perfeitos em seu caminho são o seu deleite”.
 
5o. Deus abomina/detesta PÉS QUE SE APRESSAM A CORRER PARA O MAL
É preciso pedir a Deus, sempre, sabedoria.  Precipitações, impaciência, ingenuidade, fraqueza, tentações, ciladas do Maligno...  bem podem nos levar a “correr para o mal”.
A Bíblia tem um alerta para nós: Pv 19:2  “Não é bom agir sem refletir; e o que se apressa com seus pés erra o caminho”.
Por isso temos a necessidade dos conselheiros:  Pv 15:22 “Onde não há conselho, frustram-se os projetos; mas com a multidão de conselheiros se estabelecem”.
 
6o. Deus abomina/detesta TESTEMUNHA FALSA QUE PROFERE MENTIRAS
Em Atos 6 temos o relato de como Estevão teve que enfrentar acusações de falsas testemunhas: “e apresentaram falsas testemunhas que diziam: Este homem não cessa de proferir palavras contra este santo lugar e contra a lei; porque nós o temos ouvido dizer que esse Jesus, o nazareno, há de destruir este lugar e mudar os costumes que Moisés nos transmitiu” (At 6:13 e 14).
No julgamento de Jesus os judeus do Sinédrio usaram o mesmo precedente contra o Senhor (Mt 26:59ss).
Talvez o caso de falsas testemunhas mais escandaloso de todos os tempos se encontre em Mateus 28:11-15, no caso do suborno dos guardas do sepulcro de Jesus, para que testemunhassem uma versão mentirosa, do roubo do corpo enquanto eles dormiram.
Pv 19:5 “A testemunha falsa não ficará impune; e o que profere mentiras não escapará” (no verso 9 esta palavra é repetida!).
 
7o.  Deus abomina/detesta O QUE SEMEIA CONTENTA ENTRE IRMÃOS
O homem vil e perverso de Pv 16:27-30 : “O homem vil suscita o mal; e nos seus lábios há como que um fogo ardente. (28) O homem perverso espalha contendas; e o difamador separa amigos íntimos. (29) O homem violento alicia o seu vizinho e guia-o por um caminho que não é bom. (30) Quando fecha os olhos fá-lo para maquinar perversidades; quando morde os lábios, efetua o mal”.
Pv. 26:20 “Faltando lenha, apaga-se o fogo; e não havendo difamador, cessa a contenda. (21) Como o carvão para as brasas, e a lenha para o fogo, assim é o homem contencioso para acender rixas. (25) Quando te suplicar com a voz suave, não o creias; porque sete abominações há no seu coração. (26) Ainda que o seu ódio se encubra com dissimulação, na congregação será revelada a sua malícia”.
Pv 17:9 “O que perdoa a transgressão busca a amizade; mas o que renova a questão, afasta amigos íntimos”.