Translate

SEJA BEM VINDOS VISITANTES

contadores de visitas

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Pokemom

http://www.canalgama.com.br/saiba-o-que-seu-filho-gosta-o-significado-de-pokemon-demonio-de-bolso/

Sensualidade na igreja

Sensualidade é Pecado? Por Quê?
Apesar da tendência da moda de
um modo geral oferecer poucas
opções legais que sejam decentes,
a mulher cristã deve persistir em
preservar sua imagem moral, pois
sua escolha diante da vitrine é um
dos fatores que comprovam se ela
é mesmo uma escolhida.
O que é bonito é pra ser mostrado? Vamos ver o que Deus pensa disso: “as obras da carne são manifestas, as quais são: prostituição, impureza, lascívia...”; de acordo com o texto de Gálatas 5:19, lamento informar, mas Ele não concorda com isso não. Antes de dar sequência, quero dizer que embora o contexto desse assunto seja uma exortação mais voltada às garotas, os meninos também estão incluídos, pois admirar a sensualidade é tão pecado quanto praticá-la e também produz consequências negativas. Voltando ao texto em questão, é de extrema importância que respondamos à seguinte pergunta: o que é lascívia? Resumindo as informações que encontramos nos mais conhecidos dicionários, a lascívia é definida como uma “conduta vergonhosa como sensualidade, imoralidade sexual, libertinagem[1], incontinência[2], luxúria; corrupção de bons costumes”. E, por sua vez, a sensualidade indica o estado daquilo que é sensual, ou seja: é relativa à sensação física captada pelos órgãos dos sentidos no que se refere aos prazeres da carne ou ao apetite sexual; é o que estimula o desejo por sexo por meio da exposição do corpo. Traduzindo de forma bem simples: normalmente, se refere à mulher que usando roupas curtas, apertadas ou estando mesmo nua, leva o homem a sentir desejo por ela. Esse é um dos pecados concebidos através dos olhos (1ª Jo 2:16,17). É importante também lembrar que a sensualidade não está apenas no estilo insinuante das roupas, mas também em palavras, gestos, olhares, enfim, o comportamento de modo geral.
Para se ter uma ideia da gravidade da exposição do corpo, em Oséias 4:11, por exemplo, está escrito o seguinte: “Aincontinência, e o vinho, e o mosto[3] tiram a inteligência”. Nesse texto em que Deus fala sobre o castigo que viria sobre Israel devido aos seus pecados - entre os quais estão incluídos os atos sexuais ilícitos -, em várias versões, a palavra incontinência aparece traduzida como prostituição[4]. Nos escritos antigos foi utilizado o termo grego “akrasia” que também significa “falta de domínio próprio ou intemperança”. Isso nos mostra que a pessoa que pratica ou admira a sensualidade, além de ser desprovida de inteligência, não tem controle sobre si própria e está sim, de certa forma, se prostituindo. Então você pode me questionar: “Mas desprovida de inteligência por quê?”; e eu posso responder: “Porque pessoas inteligentes não se expõem. Elas se valorizam, pois têm a consciência de que seu corpo não está a venda e quem se interessar por elas deve primeiro conquista-las para depois ter acesso ao seu conteúdo”. Interessante também que aqui esse ato aparece associado ao consumo de bebidas fortes; afirmação essa tão realista que nos dias atuais vemos o quanto aquelas que se perdem no álcool e nas drogas acabam, por muitas vezes, devido à sensualidade, sendo exploradas ou abusadas sexualmente. Não vou, não posso e nem devo, de maneira alguma, defender nenhum ato de agressão sexual, mas a grande verdade é que em grande parte dos casos de estupros, as vítimas atraíram seus próprios agressores pelas roupas insinuantes que as mesmas estavam usando. Aí entra aquela polêmica questão: “Isso quer dizer que eu devo perder minha liberdade de me vestir como quero?”; então eu coloco uma outra questão: “Vale a pena preservar uma liberdade que coloca em risco sua segurança?”. Aí não adianta questionar a permissão de Deus ao sofrimento de uma pessoa “inocente” sendo que esta, por se comportar indecentemente, não somente pecou contra Ele como também se colocou voluntariamente numa situação de perigo (Rm 6:23).
Analisando a prática da sensualidade de uma forma bem realista, vou te mostrar apenas dez dos diversos motivos que você tem para não ser uma pessoa sensual:
1. Ela fere os princípios morais exigidos por Deus.
2. Além de estar pecando, leva outros a pecarem por alimentar suas fantasias obscenas[5] ou também por falarem mal de sua vida.
3. Ela mancha o teu caráter moral destruindo sua boa reputação.
4. Com a moral manchada e a reputação em baixa, dificilmente alguém vai confiar em você para um relacionamento sério.
5. Se expondo como um objeto sexual passa a ideia - ou a certeza - de que é alguém fácil de se levar para a cama.
6. Esse tipo de exposição revela pensamentos ou fantasias sexuais dessa pessoa, te levando a ser vítima de preconceito por parecer que ela só pensa em sexo.
7. Isso te coloca em situação de risco, podendo te fazer ser vítima de violência física.
8. Além de violência física, devido à má reputação, isso pode também te provocar traumas que deixe consequências por toda a vida.
9. Sendo uma pessoa cristã, o problema é ainda mais sério, pois dessa maneira você está escandalizando o Evangelho, dificultando a salvação de outras almas e envergonhando a Igreja.
10. Tal ato consiste em erro consciente o qual acarreta em várias outras consequências incluindo a perda da salvação se não houver arrependimento e mudança (1ª Co 6:9-11[6]).
Em 1ª Timóteo 2:9, a Bíblia orienta as mulheres a usarem trajes honestos, os quais devem ser com pudor[7] e modéstia[8], o que significa não mostrar ou deixar transparecer partes íntimas do corpo e ter moderação até mesmo na exibição de joias para não parecer soberba ou arrogante. Dessa forma, a Palavra as continua instruindo que a verdadeira beleza é interior (1ª Pe 3:3). Será que isso significa que devemos “demonizar” a moda e só usar roupas ultrapassadas? É claro que não! O importante é saber se vestir, não importa qual seja o seu estilo ou gosto pessoal. Deve-se ter bom senso para saber diferenciar ensinamentos sobre usos e costumes da doutrina bíblica, pois a Palavra de Deus não impõe encargos pesados, ela apenas nos leva a entender que devemos andar de uma forma que nos diferencie do mundo não necessariamente pela aparência, mas pelas atitudes que demonstrem pureza (1ª Ts 4:1-3). Nosso corpo é extremamente importante para Deus, seu valor é tão grande que ele é habitação do seu Santo Espírito (1ª Co 6:18-20). Por isso, se vestir e se portar decentemente não é uma mera obediência a regras de igreja, mas um ato de referência e fidelidade ao Senhor que tem grande propósitos em nossa vida, mas exige de nós condições para permanecermos em sua presença (1ª Ts 4:7). Sendo assim, quando o inimigo, através dos seus instrumentos vierem a te elogiar não pelas suas qualidades, mas pelo seu corpo usando argumentos do tipo “Deus só quer o coração!”, simplesmente responda: “Ele me criou, me salvou e me sustenta por inteiro; então pertenço a Ele por completo” (1ª Ts 5:23). Além do mais, ao vestir roupas sensuais, ainda que a sua intenção não seja fazer nenhuma insinuação sexual, existe a questão da sua imagem pessoal: a sua moral (1ª Ts 5:22; 1ª Co 10:31-33).
[1]Libertinagem: Vida de libertino. Devassidão, licenciosidade, lascívia, sensualidade, imoralidade, luxúria.
[2]Incontinência: Lascívia. Falta de moderação no controle do apetite sexual (1ª Co 7:5).
[3]Mosto: Vinho novo. Sumo da uva, antes de se completar a fermentação. Suco, em fermentação, de qualquer fruta que contenha açúcar.
[4]Prostituição: Comércio sexual do corpo (Os 1:2; Gl 5:19). A prostituição cultual era praticada na adoração aos deuses da fertilidade Astarote e Baal; na época, eles acreditavam que relações sexuais com prostitutas ou prostitutos fariam com que as terras produzissem boas colheitas e os animais tivessem muitas crias (Dt 23:17-18; 2º Rs 23:7). Figuradamente, esse termo também expressa infidelidade a Deus (Jr 3:6-13; Ez 16:1-41).
[5]Obsceno: Indecente, sujo, imoral, vergonhoso.
[6]Sodomita: Nascido ou habitante de Sodoma: cidade que foi destruída por Deus junto com Gomorra devido à imoralidade sexual. Homossexual (1ª Tm 1:10).
[7]Pudor: Sentimento de pejo ou vergonha, produzido por atos ou coisas que firam a decência, a honestidade ou a modéstia. Vergonha. Pundonor, recato, seriedade.
[8]Modéstia: Simples; sem vaidade.
[15/8, 08:29] Pr Genisvaldo Santos: Nossos corpos nao pode ser uma vitrine de moda, somos templo do espírito santo 1cor 3,16